Quarta-feira, 12.08.09

Loios tinto 2008

Temos aqui a gama de entrada de João Portugal Ramos, atrás do conhecido Marquês de Borba. Uma gama de entrada, mas sem descurar a qualidade, o que prova a tendência e apetência para para fazer bons vinhos, mesmo sendo abaixo dos 3/4 euros. O próprio João Portugal Ramos diz que o Loios está ao nível qualitativo do Vila Santa quando este começou. É um tipo de vinho feito para ser bebido cedo, um ou dois anos após a sua saída para o mercado, para preservar a sua fruta primária a gulosa e toda a sua frescura.
Esta versão tinta de 2008 foi feita com as castas Aragonês, tricadeira e Castelão.
Tem uma cor escura, violácia. Aroma intenso e muito frutado, onde se notam as groselhas, as framboesas e os morangos. Toque lácteo. Boca com algum corpo, boa profundidade, fresca e redonda. Muita fruta. Final com bom comprimento e guloso.
Temos aqui um vinho bem feito, pleno de fruta e jovialidade. Perfeito para acompanhar pratos menos condimentados e mais simples. Belo para o dia a dia. Uma das minhas escolhas. 15.
publicado por allaboutwine às 14:42 | link do post | comentar

Esporão Reserva branco 2008

Continuando em terras alentejanas, entramos no domínio da Herdade do Esporão. Em período de remodelação de imagem, esta marca emblemática de portugal continua a brindar-nos com os melhores vinhos feitos em Portugal, feitos em quantidades consideráveis, a muito pretendida relação entre a qualidade e a quantidade. Os seus Reserva são perfeitos exemplos disso. Os seus vinhos são fonte segura de qualidade em que podemos confiar.
Os solos são vulcânicos e xistosos, temperados por uma brisa marítima húmida vinda do Atlântico.
Com as uvas Antão Vaz, Arinto e Roupeiro e após estágio em barricas de carvalho francês e americano durante 6 meses, é engarrafado. Desta vez com um rótulo belíssimo da autoria do artista plástico José Pedro Croft, que simboliza as cores deste vinho. Os tostados, a fruta citrina, a baunilha. Uma obra de arte.
A cor é amarela palha. Aroma intenso, com notas e fruta citrina a lembrar limão, tangerina, toranja. Fundo tostado e abaunilhado. Boca encorpada e com uma bela acidez. Continua com a fruta citrina em companhia de sabores abaunilhados e tostados. Final longo e com boa complexidade.
Mais um belo Reserva branco desta casa, aliás, como é apanágio. Um bom equilíbrio entre a fruta, acidez e a madeira onde estagiou, tornando-se até um tanto guloso.
Um vinho que continua sólido na sua qualidade e que será sempre uma escolha mais que segura quando queremos qualidade. Gostei francamente. 17.
publicado por allaboutwine às 13:21 | link do post | comentar | ver comentários (2)

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

Agosto 2009

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
14
15
17
19
20
22
23
26
27
28
29

posts recentes

últ. comentários

  • Olá Miguel,Sou leitor atento do teu blog e não res...
  • Aqui parece que não concordamos. Eu acho este 2007...
  • José Diogo,É realmente um belo porto com um grande...
  • Olá André.Sê vem vindo a esta humilde casa. Fiquei...
  • Também o achei bem austero na abertura. Ao princíp...
  • Oi Miguel, muito de acordo com o teu descritivo, u...
  • interessante.
  • Nesta prova já não concordo assim tanto, pessoalme...
  • Completamente de acordo com esta nota de prova!Ali...
  • Bom dia, estamos a lançar um projecto de blogue de...

Posts mais comentados

arquivos

tags

todas as tags

links

subscrever feeds