Hartenberg Pinotage tinto 2006


A casta Pinotage nasceu do cruzamento da Pinot Noir com a Cinsaut. O seu criador, o sul africano Abraham Izak Perold, foi enviado pelo governo da Cidade do Cabo para procurar pelo mundo castas que se poderiam adaptar à região com a finalidade de fazer vinhos. Ele voltou com 177 variedades , que ainda hoje existem Welgevallen Exprimental Farm da universidade de Stellenbosch (EUA). Com grande conhecimento das castas mundiais, a sua selecção para a criação da Pinotage pareceu, na altura, estranha. Escolheu a casta raínha francesa Pinot Noir e uma casta muito usada localmente e com bons resultados, a Hermitage (Cinsault). Plantou algumas sementes no jardim da sua residência. Depois de desavenças entre Perold e a universidade onde trabalhava, o espaço foi abandonado e assim permaneceu durante algum tempo. Tempos depois e duranteuma limpeza ao espaço, Dr. Charlie Niehaus, sabedor da experiência de Perold, conseguiu recuperar as sementes. Elas foram replantadas num outro espaço. Assim, começaram as experiências com bons resultados. Os primeiros vinhos produzidos com a casta apresentavam-se encorpados e com uma cor mais carregada que as castas que lhe deram origem. Aromas iniciais químicos que que passados dois anos em garrafa desapareciam, vindo a fruta ao de cima. Os vinhos evoluíram e hoje em dia, o Pinotage é sinónimo de vinhos da África do Sul.

Aproveitei uma pequena feira de vinhos de África do Sul num hipermercado para comprar um Pinotage. Não conheço a casta e vi uma ali uma oportunidade para suprir este falha. Escolhi um vinho de 2006, com 23 meses em barricas novas (50%) e barricas de segundo ano (50%). Custou-me perto de 7 euros.
Cor rubi escuro.
Aroma intenso e que começa com muitas notas balsâmicas, a cera, verniz. A fruta aparece sob forma de ginjas e ameixas. Notas gulosas de chocolate, cacau em pó, tabaco.
Boca com bom corpo mas um tanto vertical, com a acidez suficiente e bem integrada. Um final marcado pela fruta e pelas notas balsâmicas.

Gostei desta minha primeira experiência com o Pinotage. Um vinho com um belo aroma, boa complexidade, mas com a boca que, apesar de ter alguma estrutura e sabor, não preenche a boca, restando apenas a fruta doce e os balsâmicos. Poderá ser um vinho que para muita gente se pode tornar enjoativo, dada a falta de acidez e de alguma vida na boca. Por cerca de 7 euros, vale bem a pena.
Deixo uma pergunta a quem me souber responder: como é que um vinho deste, com o tratamento que teve, o tempo de estágio que teve, pode percorrer estes kms todos e chegar a Portugal com um preço destes? 16.
publicado por allaboutwine às 06:44 | link do post