Grou tinto 2004

Vamos falar de mais um topo alentejano. Um vinho de uma região diferente, uma região onde o solo é arenoso, o clima é típico do norte alentejano, quente, com maturações precoces. Um vinho de Cabeção, perto de Mora, onde se faz vinho há muito tempo mas que não está inserida em nenhuma sub-região vitivinícola.
A quase totalidade dos solos de produção vinícola pertencem à família Nunes Barata. Um património muito antigo, com vinha desde 1836, que dois jovens herdeiros resolveram recentemente recuperar. Para isso convidaram o viticultor Rogério Castro e o enólogo Anselmo Mendes, ambos vindos da região dos Vinhos Verdes para abraçar este projecto. Para Anselmo Mendes é mesmo a primeira incursão na regiao alentejana e o convite foi para fazer vinhos diferentes do que se fazia na região, considerados muito rústicos e típicos de taberna.
Apresentado em garrafa borgonhesa, pesada, tem as castas características do norte Alentejo, Alicante Bouschet, Trincadeira e Aragonês. Estagia em barricas de carvalho francês e seis meses em garrafa antes de sair para o mercado.
Brinda-nos com uma cor escura, carregada. Notas de fruta madura como cerejas e ameixas e também em passa. Depois vêm as notas de chocolate preto acompanhadas de couro e de folhas de tabaco. Fundo mineral, terroso. Boca encorpada e com bela acidez. Continuam as notas de fruta madura e passificada, chocolate preto e mineral. Final de boca longo, complexo e guloso.
Temos aqui um grande vinho alentejano, potente, mas ao mesmo tempo fresco. Desde que o provei aquando do seu lançamento, perdeu os aromas químicos que tinha e ganhou fruta madura e passificada como sinal de boa evolução. Tem uma bela compexidade e profundidade própria dos grandes vinhos. Está numa bela fase e ainda tem muito para dar. 18.
publicado por allaboutwine às 12:14 | link do post | comentar