Bétula branco 2008

Mais uma novidade do Douro. Um vinho da Quinta do Torgal, com a enologia de Francisco Montenegro, esse mesmo, o mentor dos excelentes vinhos Aneto.
A Quinta do Torgal fica em pleno Vale do Douro, no Barrô, onde encontramos solos graníticos de fertilidade muito pobre. É daqui que sai este branco duriense, um vinho feito com castas internacionais, algo cada vez mais visto no Douro, com bons resultados, isto sem qualquer desprimor para as castas lusas. O Viognier foi vinificado em barricas de carvalho francês e o Sauvignon Blanc em inox. Duas castas francesas, de perfil completamente diferente, que resulta num conjunto bastante equilibrado e apelativo, como vamos ver.
Tem uma cor amarelo vivo.
Aroma intenso, onde sobressaem notas frutadas a lembrar pêssegos, citrinos como limão, laranja e também um toque de banana, manga e ananás maduro. Tem um lado mais vegetal, acompanhado de fumo e um fundo mineral com ligeira baunilha.
Boca encorpada e com uma bela acidez. Tal como no aroma a fruta comanda, onde temos pêssego, acompanhado de citrinos e ligeiro tropical. Mineral com toque fumado. Belo final, longo e com boa frescura.
Temos aqui belo branco duriense, onde as duas castas estão muito bem casadas, com o peso da fruta do Viognier e ser bem compensado pela frescura do Sauvignon Blanc. A madeira sente-se mas está bem integrada. Um vinho bastante curioso e que é obrigatório provar. 16,5.
publicado por allaboutwine às 15:11 | link do post | comentar