Niepoort Vintage 2007

Não são todos os dias que provamos e principalmente saboreamos um Vintage. Por duas principais razões: o preço, normalmente elevado, e o facto de ter de ser consumido rapidamente para aproveitar o que de tão bom ele tem. Não tenhamos a minima dúvida, estamos perante um vinho fortificado que nos devia encher de orgulho e que muitas vezes o esquecemos em deterimento de bebidas importadas e espirituosas. É uma pena.
Agora viramo-nos para Santo Adrião, em plena região do Douro, onde se situa a Quinta de Nápoles da família Niepoort.
Com uma longa história na produção de Vinho do Porto, desde 1842, portanto 5 gerações de grandes vinhos, a Niepoort é um dos produtores com mais renome no Douro, tanto em Portos como mais recentemente em vinhos de mesa. Qualquer coisa que saia dali, podemos ficar descansados com a sua alta qualidade, podemos comprar às cegas.
O vinho em prova é o Vintage da colheita de 2007. Segundo o produtor, "Depois de alguns invernos severamente secos, o Invernos de 2006/07 foi adequado para recolocar as reservas de água no solo no seu ponto perfeito. Em 2007 as vindimas começaram na histórica adega de Vale de Mendiz em 14 de Setembro, 6.a feira. Apesar de uma breve tempestade em 16 de Setembro e leves chuvas no final do mesmo mês, a vindima decorreu em condições excelentes. Os mostos em fermentação exibiam já cor muito carregada e densa, e uma acidez natural muito boa, evitando grandes correcções ácidas." Boas notícias, portanto. As castas utilizadas são a Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinto Cão, Tinta Francisca, Tinta Amarela, Sousão, Tinta Roriz e outras. Pisa a pé e estagio de 2 anos em toneis de madeira antigos.
Uma cor muito escura, praticamente opaca. Os aromas são intensos e concentrados, com notas de farmácia, mineral e chocolate amargo. A fruta é madura e muito gulosa, com notas de cerejas doces e amoras. As flores aparecem frescas e viçosas a lembrar violetas. Boca potente e muito fresca, de impressionante amplitude. A fruta é concentrada e bem acompanhada por notas balsâmicas e flores. Fundo mineral com ligeiro chocolate. Final muito longo e complexo.
Estamos na presença de um vinho que quase nos deixa sem palavras. Um vinho concentrado, potente, mas com uma frescura e elegância próprias dos grandes. É um enorme prazer poder degustar vinhos como este. Bebe-lo agora dá imenso prazer, esperar uns bons anos, irá ser único. 18,5.
publicado por allaboutwine às 14:59 | link do post | comentar