Visita à Casa de Darei

Um pouco da história





O projecto arranca quando José Ruivo Machado, homem apaixonado pelo vinho, comprou uma propriedade com 150 hectares nas margens do rio Dão, entre Penalva do Castelo e Mangualde, onde existia um solar setecentista, nessa altura em muito mau estado. Estavamos no ano de 1997.






Passou-se ao restauro do solar e também das casas que antigamente serviam de apoio à casa principal e de aposentos aos serviçais. Agora estão aptas para receber o mais exigente turista.






Actualmente a família Machado reside na casa principal, ficando as restantes casas para o Turismo Rural, faceta muito importante deste projecto, que agora arranca em grande estilo.




O vinho







O projecto vínico arranca com cerca de 1 hectar de vinha junto ao rio Dão, a beijar o rio. Vinha essa, plantada com essencialmente Alfrocheiro. Hoje, a vinha tem 12 anos. O primeiro vinho nasce em 1999, com uvas compradas para juntar às próprias (poucas) que existiam. Nasce assim a marca Lagar de Darei. Em 2003 e após libertação do terreno, são plantados mai 4 hectares de vinha, agora com Touriga Nacional, Tinta Roriz, Jaen, Encruzado, Malvasia, Bical, Cercial Verdelho e Arinto. A quantidade á pouca e para entrar nos mercados externos tinham de entrar com quantidade. A solução foi a criação de uma outra empresa, a Vinhos de Darei, Lda, uma empresa que compra e vende vinhos. Compram vinho a terceiros, engarrafam e vendem. Assim foi solucionado um problema com os vinhos de entrada, com o volume. A equipa responsável pelos vinhos são: Júlio Lopes (produção), Sérgio Moreira (viticultura) e Pedro Pereira (enologia).



Os vinhos








Existem duas marcas principais, o Rodeio e o Lagar de Darei. Ambas as marcas têm a versão Reserva. Centremo-nos agora no Lagar de Darei. Os brancos e tinto DOC, mais simples, são feitos com uvas próprias e compradas. Os Reserva e Grande Escolha são feitos só com uvas da Quinta. Os brancos fermentados em tonéis e estagiados em barricas de carvalho de várias proveniencias. Os tintos fermentam nos depósitos e também têm estágio em barricas. São vinhos que saem para o mercado após longo estágio em garrafa.

A prova

Júlio Lopes tinha uma prova preparada para mim. devo dizer que foi em grande estilo. Foram provados os Colheita 2008 (braco e tinto), o branco Grande Escolha 2008 e o Reserva tinto 2004. A prova foi comentada por Júlio Lopes.






Lagar de Darei branco 2008 - Cor clara. Aroma com boa intensidade, com fruta de polpa branca, flores, mineral, citrinos a algum mel. Boca de médio porte e bela acidez. Um vinho com um belíssimo preço, cerca de 3 euros, para a qualidade que tem. 15.


Lagar de Darei tinto 2008 - Cor rubi escura. Nariz intenso, com balsâmicas tipicos do Dão. Pinheiros, eucaliptos e resinas. Fruta vermelha a lembrar morangos e groselhas. Boca com bom corpo e boa acidez. Continua balsâmico e frutado. Um perfil muito "Dão", elegante e bom para acompanhar comida. Bem feito. 15.


Lagar de Darei Grande Escolha branco 2008 - Cor citrina. Aroma intenso e fino. Minerais, citrinos, flores. Boca encorpada e belíssima acidez. Citrinos, pólvora. Um belo vinho do Dão, perfeito para guardar na garrafeira. 17.


Lagar de Darei Reserva tinto 2004 - Cor rubi. nariz intenso com notas balsâmicas, baunilha e fruta a lembrar cerejas e amoras. Boca encorpada e com boa acidez. Taninos ainda bem activos. Balsâmicos, fruta e baunilha. Um belo vinho do Dão, complexo e ainda com muito para dar. 16,5.









Um belo projecto em terras do Dão. Condições muito boas para o turismo, bom vinhos, boas pessoas. Vale a pena.

Resta-me agradecer ao Sr. Júlio Lopes a sua amabilidade e paciência.

tags:
publicado por allaboutwine às 11:13 | link do post | comentar