Crónica do vinho mal-amado

O que leva um consumidor correr atrás de um vinho que foi bem pontuado por algum guru da crítica?
Foi essa a questão que me fiz a mim próprio e que penso ser merecida de algumas palavras numa curta crónica.

Neste imenso mar de vinhos, nacionais e internacionais, fazer o seu vinho sobressair é uma tarefa árdua. Podemos utilizar os profissionais do marketing, com certeza, podemos correr o mundo a dá-lo à prova, este com margem de sucesso mais reduzida, ou podemos ter a sorte de algum crítico ter gostado dele e assim vende-lo como pevides. Pelo menos se o provador for conhecido e referenciado, claro está. Resulta? Claro que resulta! Melhor que gastar o budget em comunicação, sai mais barato e ainda leva o selo de garantia.

Mas e aqueles que eles não gostam? Como ficam eles? Epá, esse não deve valer nada, o Miguel só lhe deu 15. Mas como o Miguel o provou? Claro que no meio dos outros todos, mas coitado deste que tem a insensatez de ser diferente e que não resulta bem se for avaliado como os outros. Pedia um pouco mais de atenção, mas a rigidez dos 30 segundos deixa-o de fora do estrelato, pedia alguma gordura na boca que a bolacha de água e sal não tem, mas ainda era cedo e não acompanha bem uns Clusters.

Onde acaba o nosso vinho? Acaba na mão de quem o mimou e, passados 5 anos, ele presenteia-nos com a sua sabedoria, ainda sem rugas e com a jovialidade de um adolescente com acne.

Conhecem algum vinho assim?
tags:
publicado por allaboutwine às 12:16 | link do post | comentar