Prova dos Verdes

Uma recente prova no Instituto do Vinho e da Vinha, protagonizada pela região dos Vinhos Verdes, foi motivo para me fazer escrever estas palavras. Não, não vou tecer comentários dos vinhos provados, são vinhos que nós já conhecemos "de ginjeira" e que iria também tonar este post enfadonho.
Era um evento destinado a especialistas/criticos internacionais que iriam conhecer o que de melhor se faz na região dos Vinhos Verdes.

Como já disse, quem fez a escolha dos vinhos foi o própria CVRVV e que também conduziu a prova sem que primeiro, e com um video, mostrasse a região e as suas castas.
A prova seguiu com três (3!) provadores, um crítico de vinhos norueguês e dois wine-bloggers portugueses. Uma situação não esperada dado que foram convidados mais provadores, principalmente estrangeiros. Uma falta de respeito mas acima de tudo, será que podemos falar em falta de interesse? O que me leva a pensar sobre o interesse que o vinho português desperta lá fora. Uma prova com os "melhores vinhos verdes" nacionais não é argumento suficiente para cativar o mundo enófilo? Faz-me chegar à conclusão que, antes de querer vender os vinhos, primeiro temos de os tornar apetecíveis, e isso é um trabalho árduo mas que tem de ser feito. Qual de nós, se fosssemos convidados para uma prova dos melhores brancos alemães, não iriamos a correr?

Um outro especto menos positivo da prova, a meu ver, foi a escolha dos vinhos. Bom, pensava eu, uma prova com os "melhores vinhos verdes" vai ser um espanto. A região tem-nos e em bom número e isso deixava-me descansado.
A escolha teria de ser criteriosa, com os melhores exemplares de cada segmento, dado o público alvo, e assim não foi. Seguiram-se vinhos e mais vinhos, com algumas boas excepções,  demasiado "verdes", cheios de "agulha" e sulfuroso, alguns deles quase impossíveis de serem bebidos. Um autêntico tiro no pé! Mas é esta a imagem que queremos passar? Não acredito. Os espumantes, estes,  portaram-se muito bem,  bem feitos e belos parceiros na mesa.

Esperemos que "o" crítico norueguês goste de uma boa dose de sulfuroso e de ter a boca adormecida pela violência da "agulha". Fora isso, tudo bem.
tags:
publicado por allaboutwine às 01:53 | link do post | comentar