Quinta-feira, 04.03.10

Factor identidade...ou não!

Pegando num excelente artigo do amigo João Carvalho, que me fez pensar no assunto, decidi contrapor, fazer o papel do "advogado do diabo", por muito que não o queira ou concorde com o caminho que os vinhos estão a tomar. Não podemos virar as costas ao que está a acontecer no mundo, com a globalização  e com todos os males e bens daí inerentes.

Para este caso, o que nos interessa é a globalização do gosto, os produtos tornam-se parecidos, virados para os gosto comum, virados para quem os compra. No fundo é isso que interessa, não é? Vender os produtos. É uma postura realista e empresarial, mas não podemos fugir a isso, é o que faz os projectos vencer, vingar no mercado cada vez mais saturado e feroz. Hoje em dia quem produz o que quer, como quer, sem olhar para o mercado, sem saber se tem condições para vender, ou não precisa do negócio para sobreviver ou não joga com o baralho todo. É triste, deixa-me triste, mas a visão romântica do vinho não enche os bolsos.

O que o consumidor procura num vinho? Procura um vinho que saiba bem, de que goste. Quer saber de onde ele vem? Alguns querem, mas muito poucos. Onde fica a tipicidade no meio disto? Nós quando compramos um vinho, compramos uma região ou um determinado vinho dessa região? Quando compramos o Charme, compramos um vinho do Douro? Quando compramos um Anima, compramos um vinho do Sado? Quando compramos um Herdade dos Grous, compramos um vinho do Alentejo? Quando compramos um Aalto PS, compramos um vinho espanhol? Acho que não, compramos grandes vinhos e no fundo é isso que conta.

Parece-me que caminhamos para um mundo de vinhos e não de regiões. Fazendo a analogia, o Benfica é uma equipa menos portuguesa sem portugueses no "onze principal"? (o meu Sporting mesmo assim safa-se). Gostam menos do Real Madrid sem espanhóis na equipa? Duvido. O que importa é ganhar e quando se ganha esquece-se a origem. Como nos vinhos, quando são bons, esquecemos a sua origem.
tags:
publicado por allaboutwine às 02:42 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quarta-feira, 03.03.10

Quinta d'Amigo tinto 2007

Continuo no Dão e na sua linha mais pura, mais regional, com uma novidade que nos chega de Paranhos da Beira.
Gosto quanto os vinhos estão ligados à terra onde nasceram, que nos transmitam os aromas e paladares de uma região, que tenham personalidade vincada, que tenham sotaque. Estou cansado de vinhos de determinada região mas que poderiam muito bem representar outra. Quando compro um vinho do Dão quero que ele me saiba a Dão.

Por esta razão, deu-me imenso prazer quando pela primeira vez cheirei este vinho. A sua cor escura impressiona, mas não tanto quanto os seus aromas balsâmicas, resinosos, por entre notas de fruta elegante, que nos lembra cerejas e framboesas, chá preto e bergamota. Aroma intenso e convidativo. A sua boca mostra-se muito fina e fresca, com uma secura que clama por comida para acalmar tamanha juventude.

É certamente um vinho a conhecer, que me deu muito prazer. Mais um achado no Dão, uma região que é pródiga em nos surpreeender com vinhos "escondidos", que quase nos aparecem assim, em jeito de surdina. 16,5.
publicado por allaboutwine às 11:40 | link do post | comentar | ver comentários (1)

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

Março 2010

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
19
20
24
26
28
29

posts recentes

últ. comentários

  • Olá Miguel,Sou leitor atento do teu blog e não res...
  • Aqui parece que não concordamos. Eu acho este 2007...
  • José Diogo,É realmente um belo porto com um grande...
  • Olá André.Sê vem vindo a esta humilde casa. Fiquei...
  • Também o achei bem austero na abertura. Ao princíp...
  • Oi Miguel, muito de acordo com o teu descritivo, u...
  • interessante.
  • Nesta prova já não concordo assim tanto, pessoalme...
  • Completamente de acordo com esta nota de prova!Ali...
  • Bom dia, estamos a lançar um projecto de blogue de...

Posts mais comentados

arquivos

tags

todas as tags

links

subscrever feeds