Amigos em prova

Juntámos 3 amigos e respectivas famílias e um convidado especial para fazermos uma petiscada com umas belas pingas a acompanhar. Presentes estiveram o Rui, do blog Pingas no Copo, o anfitrião do evento, o João, do blog Copo de 3 e eu, Miguel, do blog Pingamor. O nosso convidado especial foi António Carvalho, arquitecto dos grandes vinhos Casal Figueira.
Foi um fim de tarde de grandes petiscos e grandes vinhos. Mesa posta e bem apetrechada, iniciámos a dura tarefa com os Rieslings do Dr. Loosen. Começamos por um Erdener Treppchen Riesling Spätlese 2007, que se mostrou profundo, com boca doce mas complexa. Passámos aos Kabinett, para o Ürziger Würzgarten Riesling Kabinett 2007, o melhor deles três, profundo, notas meladas, florais, apetroladas. Belo. Acabámos com o Wehlener Sonnenuhr Riesling Kabinett 2007, o menos doce e o menos efusivo, com algum pico na boca. Seguimos para outra estrela, pelo menos assim o esperávamos, o Soalheiro Primeiras Vinhas 2008, uma desilusão. Muito plano, parco de aromas e sem a estrutura dos anos anteriores. Esperemos que esteja num mau momento. Avançámos para a vertical Casal Figueira. António Carvalho comentou os seus vinhos, e que vinhos! Começámos pelo Tradition 1995, um vinho que no aroma está um pouco plano, segundo António, em fase descendente, mas que na boca continua a dar cartas, com boa estrutura e acidez. Passámos ao Tradition 2002, complexo, profundo, com notas meladas, fumo, leite creme queimado. Belo vinho. Avançamos para o Tradition 2004, sempre em crescendo. Um vinho com bela estrutura, gordo, profundo. Mel, leite creme, ainda com fruta, coco. Grande vinho. O Tradition 2005, mostrou-se um pouco inferior. Mostrava calda de fruta, petroleo, notas meladas. Entrou-se na nova fase Casal Figueira, com o Vital Vinhas Velhas 2008, um vinho com perfil diferente dos anteirores. Preveligia o lada mais austero, mineral, citrino. Grande intensidade e profundidade. Bela acidez. Não era surpresa, já o tinhamos provado, mas achamos que se trata de um grande branco, um vinho de guarda.
Passámos à carne e consecutivamente aos tintos. Começámos por Espanha, com uma casta (Jaen) que aqui damos pouco por ela, mas que pelos vistos dá vinho muito bons e elegantes. O Bierzo Casar de Valdaiga Mencia 1999, um vinho onde se nota a evolução mas que está num momento excelente.Fruta passificada e chá preto. Um belo vinho de 10 anos. Depois tivemos um Dão, um Pellada Tinta Roriz 2000, que provado após o Mencia perdeu um pouco. Um vinho elegante, típico Dão, redondo e que dá prazer. Merecia ser provado sem mais nenhum. Passámos ao Douro, com um Fojo 2000, profundo, numa boa fase, mas notando-se um pouco o álcool Nunca foi um vinho que me tivesse surpreendido. Depois tivemos o Redoma 2002, um vinho de um mau ano mas que saiu muito bom. Profundo, elegante, em melhor estado que o Fojo. Com muitos anos pela frente. Gostei.
Passámos às sobremesas e com elas fomos de novo a Espanha. Um Osborne Pedro Ximenez. Um Jerez/Xeres/Sherry perfeito para acompanhar uns travesseiros da Piriquita, que foi o que fizemos, um vinho doce, aliás, muito doce, potente, que marca. Um boa poderosa e embriagante, no melhor sentido da palavra. Não apetece deixar de beber. A um preço imbatível e uma ótima maneira de entrar neste tipo de vinhos, e podem crer que são mesmo um dos grandes forificados do mundo. E aqui temos uma bela aposta.
Acabaram os vinhos e continuou a conversa. Entre risos e assuntos mais sérios, entre brincadeiras e projectos futuros, passámos umas belas horas.
As senhoras e crianças já esperavam e nós continuavamos em grande.
Uma iniciativa, um encontro de amigos que é para repetir, continuadamente. Pelo prazer que dá partilhar vinhos únicos e pelo prazer de conviver. Obrigado a todos.
publicado por allaboutwine às 11:52 | link do post | comentar | ver comentários (8)