Sábado, 13.12.08

Altano 2006

Este vinho é um produto de um dos grandes produtores, se não o maior, de vinho do Porto, o Grupo Symington. A Quinta do Tua, Quinta das Lages, Quinta do Vesúvio e agora a Quinta do Vale Perdiz, são algumas das propriedades deste grupo. Destas quintas saem os dos melhores vinhos fortificados do mundo, saem dos melhores vintages e tawnies de Portugal. Deixo como exemplo o Dow's, o Quinta do Vesúvio, o Graham's. Em 1999 começaram o caminho na produção de vinhos DOC Douro. Têm como marca própria o Altano, e em parceria com Bruno Prats um dos ícons dos novos vinhos do Douro, o Chryseia e como segundo vinho, Post Sriptum.
O vinho em prova é a gama de entrada do produtor, já que tem a sua versão Reserva. É um vinho com um excelente preço no retalho, 2,60€, tal como o Reserva, com o preço de 12€. Esta versão de 2006, feito com as castas Tinta Roriz e Touriga Franca, apresenta uma cor rubi escura. Aroma com intensidade média/alta. Notas de fruta vermelha madura a lembrar morangos e ginjas. A para da fruta vêm as flores, diversas e frescas. Café torrado e ligeiro chocolate. A boca tem corpo mediano, boa acidez e taninos redondos. Tal como no aroma, sente-se a fruta madura e a flores. Toque achocolatado. Bom final, frutado.
É um excelente vinho para o dia a dia, com um belo preço. Tem ligeira complexidade e algum poder de sedução. É um daqueles que não engana. 15,5.
publicado por allaboutwine às 11:11 | link do post | comentar | ver comentários (6)

Quinta da Alorna Reserva Arinto Chardonnay 2007

Os vinhos deste produtor sempre tiveram uma boa relação entre o preço e a qualidade. Sitado em Almeirim, com uma quantidade enorme de vinha, em terrenos férteis como são estes da lezíria. A quantidade de referências é enorme, desde os vinhos baratos para beber dia a dia como os topos de gama, que mesmo assim apresentam um preço de mercado bastante acessível. Têm também uma grande variedade de castas plantadas, desde as portuguesas com mais história na região, como a Tinta Miúda, Casteão, Fernão Pires, Trincadeira das Pratas, como a agora famosa Touriga Nacional e também as castas estrangeiras mais conhecidas como o Cabernet Sauvignon, que aliás, com a Touriga, faz um dos topos de gama da casa.
Em relação a este branco, é um dos casos em que a qualidade está bem presente e é vendido no retalho a pouco mais de 5€. É um branco onde se junta uma casta portuguesa, o Arinto, com estágio em inox e o Chardonnay, com estágio em madeira. É uma combinação clássica e que dá resultado.
O vinho apresenta uma cor citrina, brilhante. Boa intensidade armática, com primeiro impacto citrino a lembrar limões. Seguem-se notas amanteigadas, seguidas de fruta tropical a lembrar abacaxi e manga. Toque abaunilhado.
A boca tem bom volume e uma bela acidez. Começa com a fruta citrina e continua com a tropical. Toque abaunilhado. Final longo e fresco.
Gostei sinceramente deste vinho. Alia a frescura do Arinto com o corpo do Chardonnay. Tem boa complexidade e dá muito prazer na prova, fazendo dela uma óptima escolha para o dia a dia. 16.
publicado por allaboutwine às 02:35 | link do post | comentar | ver comentários (6)

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

Dezembro 2008

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
15
16
18
19
20
22
23
24
26
27
29
30
31

posts recentes

últ. comentários

  • Olá Miguel,Sou leitor atento do teu blog e não res...
  • Aqui parece que não concordamos. Eu acho este 2007...
  • José Diogo,É realmente um belo porto com um grande...
  • Olá André.Sê vem vindo a esta humilde casa. Fiquei...
  • Também o achei bem austero na abertura. Ao princíp...
  • Oi Miguel, muito de acordo com o teu descritivo, u...
  • interessante.
  • Nesta prova já não concordo assim tanto, pessoalme...
  • Completamente de acordo com esta nota de prova!Ali...
  • Bom dia, estamos a lançar um projecto de blogue de...

Posts mais comentados

arquivos

tags

todas as tags

links

subscrever feeds